Análise | Kidding (episódio 2)

Rate this post

A saga pela insanidade de Jeff Pickles continua, e no episódio desta semana de Kidding, vimos como pequenos atos de rebeldia e perda de controle podem esconder algo mais pesado quando não sabemos lidar com as mudanças que estão acontecendo.

Aliás, mudança foi o perfeito mote para esse episódio. É interessante que para todas os personagens da série, ela chegou e elas podem processar suas decisões de acordo com ela, escolhendo novos caminhos, como o de Jill, decidindo seguir em frente após a tragédia com sua família e engatando um novo relacionamento com Peter (um Justin Kirk bem diferente do Andy Botwin, de Weeds); de Will (Cole Allen), que está mudando com muita raiva envolvida e processos autodestrutivos; de Deidree (Catherine Keener), ao não saber como lidar com a mudança repentina no relacionamento com seu marido; até mesmo a de Sebastian (Frank Langella), ao também não saber lidar com Jeff e gerenciar seu programa.

Como lidar com mudanças se você não pode mudar?

A todos são permitidas reações à mudança, com exceção daquele sobre quem a mudança parece ter um efeito devastador. Jeff precisa de cura, mas Mr. Pickles não precisa de nada. Essa frase de seu pai ecoa na série, especialmente quando o lado Jeff começa a adentrar e entrar em conflito com o Mr. Pickles.

“O que você faz? Você ouve a voz interior”, diz uma música do Mr. Pickles. Mas em Kidding, Mr. Pickles não pode ouvir sua voz, que seria a pessoa de Jeff, o que faz com que os embates internos se transformem em ações passivo-agressivas que podem se tornar perigosas.

O humor de Kidding continua ácido e sutil como no primeiro episódio, e nem uma cantiga popular como Peter Peter Pumpkim é perdoada. A mudança vem pra você também, que canta algumas canções até hoje sem saber algumas cargas pesadas que elas, na verdade, trazem. E ainda sobrou tempo para fazer uma piada bem provocativa sobre a questão do gênero e as mudanças que isso implica na percepção das pessoas.

Mr. Pickles não pode ouvir sua voz interior gritando.

Kidding com certeza está de parabéns até agora, pois consegue trazer a brincadeira e as mensagens que deseja de modo muito consistente. Em seu segundo episódio, a série parece que tem a faca e o queijo na mão para traçar todas as mudanças que desejar para seus personagens.

Leave a Reply

%d bloggers like this: