Análise | Tuca & Birtie (1ª Temporada)

Análise | Tuca & Birtie (1ª Temporada)

7 de May de 2019 0 By Conde
Rate this post

Responsáveis pelo bem-sucedido BoJack Horseman, o estúdio de animação Tornante Productions chega com uma nova série na Netflix, Tuca & Birtie, que ao mesmo tempo que colhe os louros do sucesso de sua irmã mais velha, traz novos elementos narrativos. Surgindo com o mesmo traço e no mesmo estilo e universo de BH, T&B é mais deslavadamente cômica que o humor introspectivo de BoJack, além de possuir um humor visual muito mais efusivo, com edição frenética e diversas gags psicodélicas. Embora o traço seja inconfundivelmente o mesmo, o ritmo de edição e o uso do desenho na narrativa tornam essa série algo completamente novo, conseguindo manter suficiente da identidade do estúdio para gerar identificação, mas com novidade suficiente para se estabelecer como uma série diferenciada.

Ainda que o humor seja mais estridente, a dinâmica de misturar comédia e drama também é um elemento central em T&B. Na série, que acompanha duas melhores amigas de perfis bastante diferentes ao longo de suas vidas como jovens adultas em uma cidade grande, praticamente todo tema de violência simbólica sobre a mulher é levantado: de estigmatização de doenças venéreas à indução sexual de adolescentes, de apropriações de ideias no ambiente profissional à dominação pelo romantismo, do estigma da fidelidade ao idealismo romântico, Tuca & Birtie poderia servir como um catálogo de questões de empoderamento feminino, sem nunca soar protocolar ou puramente dogmático e doutrinador.

Outro acerto está nos personagens masculinos, que, ainda que muitas vezes surjam cometendo atos opressivos às protagonistas, não são caracterizados como vilões a priori, o que se percebe mais ressaltadamente no personagem Speckle, que é o maior coadjuvante da trama, com uma participação quase tão grande quanto às das protagonistas. Longe de estabelecer o homem como vilão, a série estabelece o homem como principal vetor do problema real, que é o machismo ubíquo na sociedade e a violência simbólica que se estabelece em forma de vergonha sobre diversas questões cotidianas das vidas das mulheres. Ainda que o homem seja o principal vetor desse fenômeno, ele não é um inimigo em si e nem é o vetor único, havendo momentos em que outras mulheres reproduzem esses atos enquanto em diversos momentos os personagens masculinos se mostram melhores que isso, de forma natural e fluida, pois os personagens aqui são, basicamente, muito humanos.

Ainda que trate de temas de peso, a série é leve, histérica e psicodélica, sabendo casar à perfeição esses dois apelos. Com um ótimo elenco de dubladores, capitaneados por Tiffany Haddish e Ali Wong, a dupla principal derrama suas personalidades fortes sobre as personagens de um jeito adorável e bastante eficaz. Sagaz, ainda assim suave e divertida, Tuca & Birtie é mais um passo na carreira até então bastante inspirada da Tornante Productions, que tem se estabelecido com um estúdio que sabe misturar como poucos identidade visual divertida, textos bem elaborados, uma despretensão adorável e a discussão de temáticas fortes num equilíbrio invejável.