Análise | Desafio Infinito

5 (100%) 5 votes

 

 

“O meu nome é Thanos e ele significa morte!”

Há mais de 20 anos, a Marvel estava lançando ,o que seria considerada uma das maiores sagas da editora, Desafio Infinito de Jim Starlin, George Pérez e Ron Lim. No seu prelúdio, Thanos em busca de poder, Starlin começa a história de com um tom fúnebre, com Thanos sendo recucitado pela morte para comprir um favor a sua amada. No meio de sua busca de como realizar tal tarefa, Thanos tem a brilhante ideia de ir em busca das joias do infinito e formar a manopla do infinito. Conseguindo concluir tal triunfo, Thanos se vê como um verdadeiro deus, podendo controlar tudo com a manopla, com as joias do poder, tempo, espaço, mente, realidade e alma.

Mas algo ainda falta, pois com todo esse poder Thanos ainda não consegue sequer conversar com a sua amada, a Morte. Ele se lembra então da sua tarefa para com ela e, literalmente, num estalar de dedos ele acaba com metade da vida no universo. A partir daí a história se desenrola magistralmente, apesar do roteiro parecer um pouco piegas e massante por seus diálogos filosóficos e exagerados, Jim Starlin consegue escrever um roteiro excelente, um dos vários pontos altos da história com reviravoltas fantásticas no seu decorrer. Reunindo todos os heróis da Marvel, do time A ao D, mostrando o quão grandioso e temido esse evento tem que ser. A ponto de Odin ter que se reunir com outras divindades da cultura Humana, como Zeus(Grego), Itzamina(Maia), Tezcatlipoca(Azteca), Svarog(Russo), Osíris(Egípcio) e outros, para discutir a gravidade da situação.

A Saga também serve como uma história de Thanos e sua evolução como personagem no universo Marvel, note que quando ele surgiu nas páginas de Homem de Ferro #55 em 1973, ele era mais um vilão brutamontes de Tony Stark que sempre era derrotado no final, mas no Desafio infinito, Thanos está no seu auge em narrativa e desenvolvimento se transformando numa força superior propriamente dita.

Com cenas perfeitas em página dupla feita magistralmente por George Pérez e Ron Lim, reforçando o quão épico é essa saga, o quão além da complexidade humana o cosmos pode realizar. É por essas e outras que Desafio Infinito se prova como um excelente primeiro capítulo de uma trilogia que iria definir não só Thanos mas todo o universo cósmico da Marvel.

 

Leave a Reply

%d bloggers like this: