Análise | O Touro Ferndiando

4.8 (96.67%) 6 votes

Na cultura espanhola, as touradas sempre tiveram grande destaque ao longo da história, cobrindo de glória e flores o toureiro, e de sangue e espadas o touro. Ainda que muitos sejam contra o “esporte” e várias leis proibitivas sejam lançadas, o evento ainda continua. Com o objetivo de criticar as touradas e mostrar que a violência não é o caminho, o escritor Munro Leaf escreveu O Touro Ferdinando, livro de 1938 que traz um simpático e pacífico touro como protagonista e que acaba de ganhar uma animação pelo estúdio Blue Sky.

Ferdinando e sua amiga, Nina

O Touro Ferdinando (que já possui um curta premiado com o Oscar em 1939) é o mais novo trabalho do talentoso diretor brasileiro Carlos Saldanha, que já comandou sucessos como A Era do Gelo 2 e Rio. Ambientado numa zona rural da Espanha, o filme apresenta o sensível bezerro Ferdinando, que prefere cuidar e cheiras flores a treinar para ser um touro violento. Seu pai é escolhido para ir à arena e, antes de partir e nunca mais voltar (por motivos tristemente óbvios), adverte o filho que ele pode escolher quem ele quer ser. O tourinho, após fugir da fazenda, encontra um florido abrigo e uma grande amizade na jovem Nina. Ironicamente, o doce Ferdinando cresce bastante a ponto de ficar intimidador (e contando com a voz do brutamontes John Cena), o que o impede de ir com Nina ao festival de flores da cidade, digo, deveria impedir, já que ele não só acaba indo como causa uma grande confusão e acaba capturado.

De volta à fazenda de onde fugiu, Ferdinando conhece a amalucada cabra Lupe (dublada pela igualmente maluca e sempre ótima Kate Mckinnon) e reencontra velhos amigos, que disputam na força quem será digno de enfrentar o famoso toureiro El Primero, fato que eles pensam que trará fama e reconhecimento. Ferdinando não só precisa achar um meio de retornar para Nina e suas lindas flores como também ajudar os outros touros a compreender que, às vezes, não lutar é a melhor maneira de vencer um luta.

Um touro pacifista: Ferdinando se recusa a lutar

Tecnicamente, o filme é um show de animação. Bastante experiente, Saldanha entrega um filme belo e que explora a beleza da Espanha, bastando olhar para a perfeição com que Madrid é apresentada. Seus personagens também são um acerto, com destaque para a impagável Lupe e o trio de cavalos narcisistas (que rendem uma hilária sequencia de dança). Mas é touro Ferdinando que ganha a simpatia do espectador, com sua inocência e modo de ver e aproveitar as coisas, ainda que o roteiro deixe tudo excessivamente sentimental, inclusive algumas lições de moral.

Diferente do soberbo Viva: A Vida é uma Festa, O Touro Ferdinando revela-se um longa voltado apenas ao público infantil. Claro que os adultos cairão nas risadas em algumas cenas, mas poderão não comprar a mensagem objetiva  da animação. Já as crianças, por outro lado, ganham uma animação musicalmente divertida e com surpreendentes cenas de ação. Além de aprenderem a evitar a violência sem sentido e valorizar a beleza da vida e das pequenas coisas.

Nota:

Leave a Reply

%d bloggers like this: