As origens do Pantera Negra e a diversidade racial no mundo geek

5 (100%) 2 votes

MaxConPE e Uninassau trouxeram debates ricos e pertinentes sobra a importância do filme da Disney e a diversidade no universo da cultura pop

No último dia 24 de fevereiro, aconteceu o evento da MaxConPE e Uninassau em celebração ao filme Pantera Negra. Com uma abordagem diferente, o evento trouxe para o palco não só análises sobre o filme, mas debates sobre a importância do herói de Wakanda para o mundo dos quadrinhos e a temática, sempre polêmica, da diversidade étnica no universo geek, levantada pela estreia do filme. Com ampla divulgação nacional, o evento contou com Artist’s Alley, cosplay, área para fotos geek e espaço kids. Dois dos painéis foram transmitidos via Facebook, gerando um alcance de mais de 7.000 pessoas.

A origem do Pantera Negra nos Quadrinhos

O primeiro painel contou com a presença do ilustrador Felipe Soares, membro do canal do Youtube Segredos Malditos e coautor da HQ Contos Malditos, cujo 2º volume acaba de ser publicado, Felipe Moura, ilustrador e roteirista da Sketch Comics, autor de De certeza, só a morte – livro I, e Um menino chamado Sue; e Léo Santana, roteirista autor da adaptação da obra Fausto, de Goethe, para os quadrinhos e que estará lançando no mês de março o álbum As Novas Amazonas, com temática focada no empoderamento feminino e ecologia.

O debate perpassou a origem de T’chala desde sua criação por Stan Lee e Jack Kirby, passando por

Primeiro painel contou sobre as origens do Pantera Negra nos quadrinhos

algumas de suas histórias mais importantes, que provaram injustificado o esquecimento de um personagem tão poderoso durante tanto tempo nas HQs, já que o Pantera Negra já derrotou até mesmo o Capitão América (bem facilmente, diga-se de passagem) e Wakanda é tão poderosa que resistiu sozinha à invasão dos Skrulls na saga Invasão Secreta. E por falar nessa saga, o painel ainda versou sobre as contribuições de Christopher Priest e Ta-Nahesi Coates, dois dos melhores roteiristas do Pantera nos quadrinhos. O vídeo do painel ainda está disponível na página da Uninassau no Facebook, caso você tenha perdido ou queira conferir novamente o porquê do Pantera ter sido elevado ao novo possível quarto membro da elite dos Vingadores na saga escrita por Jason Aaron.

O Pantera Negra nos cinemas

O segundo painel contou com a presença de Mariana Nogueira, redatora da MaxConPE, Rafael Noga, um dos idealizadores do evento, produtor e redator-chefe da MaxConPE e Vandeson Nunes, roteirista e também redator do portal. Toda a importância do filme, sua contribuição para a representatividade e empoderamento feminino, o impacto no MCU de agora em diante (em Guerra Infinita, especialmente), a construção do roteiro, as atuações e aspectos técnicos do filme, tudo isso foi discutido ao longo do painel. Destaque especial para a presença das mulheres guerreiras de Wakanda e no simbolismo dos frames de Taika Watiti.

Não poderia deixar de faltar, uma bela discussão sobre as cenas pós-créditos do filme (Sem spoiler) fechou o painel com chave de ouro, deixando aquele gostinho de quero mais no público.

Diversidade racial no mundo geek

O ilustrador José Carlos Braga com o cosplay do Pantera Negra no evento

O último painel de lugar a um tema que divide opiniões: a questão da diversidade no mundo geek. Com foco na presença negra nas produções, a conversa girou, como não poderia deixar de ser, sobre empoderamento, representatividade LGBT, as mudanças no mundo dos games, quadrinhos, filmes, jogos de tabuleiro e em como o filme do Pantera Negra era o reflexo de tudo o que estava acontecendo. Rafael Noga voltou para o painel e foi acompanhado por outra das idealizadoras do evento, Heloísa Pimentel, coordenadora do núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e de Povos Tradicionais (Neabit) da Uninassau, Fábio Paiva, autor coordenador de Pós-graduação em quadrinhos no Recife e dono do canal Eduquadrinhos no Youtube, Eurico Santos, roteirista da Sketch Comics e redator do portal, e Eron Vilar, roteirista da UEON Productions e autor do aclamado A Noiva, com a arte de Thony Silas. O painel também foi transmitido no Facebook e você também pode conferir na página da Uninassau.

Outras atrações

A Liga mais poderosa da cultura pop. Equipe MaxConPE posando no evento.

O evento contou com uma Artist’s Alley matadora, com grandes nomes da HQ pernambucana, como Carlos Eduardo Cunha, José Carlos Braga, Glaydson Gomes, a equipe da Sketch Comics, Léo Santana, Junior Siqueira, Felipe Soares, Luciano Félix e Ary Santa Cruz, representando o Mistiras. Além, o Grifo Studio levou ao evento máscaras do Pantera Negra e outros adereços dos quadrinhos para o público tirar fotos. Camisas da Nerd Universe, o próprio T’Chala em cosplay também deu as caras para compor esse evento, que trouxe engajamento e entretenimento ao mundo da cultura pop.

Leave a Reply

%d bloggers like this: