Análise | Harry Potter e As Relíquias da Morte: Parte II

Rate this post

Dez anos após Chris Columbus assumir a direção dessa que dificilmente soava como uma franquia de sucesso como foi, estreia As Relíquias da Morte: Parte II, que veio para encerrar de vez a jornada de Harry Potter na sétima arte. Iniciando exatamente onde se encerrou a primeira parte, tal longa fecha com chave de ouro a franquia, fazendo jus a todo o prestígio que recebeu do público ao longo dessa década. É o primeiro longa de David Yates na saga que não possui o ritmo arrastado costumeiro. Ágil sem se atropelar, os acontecimentos finais da adaptação passam lindamente na tela. “Lindamente” também no sentido visual, graças à direção de fotografia excepcional de Eduardo Serra para esse filme, com destaque para a cena do flashback de Snape.

Algumas falhas existem sim nesse último filme, de fato. Um problema que acontece muito, especialmente em franquias cinematográficas e séries, é a supervalorização de personagens secundários que surgem exageradamente do nada para fazer a diferença. Isso acontece em alguns momentos do longa com a óbvia intenção de fazer os fãs gritarem feito loucos nas salas de cinema (o fan service), embora isso seja abrir mão de um filme mais bem elaborado. Uma característica comum em filmes que guardam seus segredos para a última hora é que possuem momentos didáticos demais. A falta de um final “Lost” por medo de ser xingado eternamente no twitter também foi algo que assombrou Yates nesse último momento.

Tudo isso e mais um pouquinho acabam se tornando menores quando vemos a imagem toda. A composição do mestre John Williams tocando enquanto Harry reencontra seus antigos amigos de escola o aguardando, Minerva colocando Snape para correr defendendo Harry de um possível ataque, Harry se encontrando com Dumbledore num cenário todo branco numa cena cheia de diálogos inspirados, as expressões estampadas em Ron e Hermione olhando Harry desacordado nos braços de Hagrid… São inúmeros momentos que fazem valer As Relíquias da Morte: Parte II. São inúmeros momentos que fazem valer os dez anos de Harry Potter no cinema.

Leave a Reply

%d bloggers like this: